Autorizado pelo STJ, Abdelmassih deixa penitenciária e volta a cumprir prisão domiciliar
julho 4, 2017
Ceni vai ao CT do São Paulo e se despede dos jogadores; veja como foi o adeus
julho 4, 2017

Quatro atletas do Gaúcho, de Passo Fundo, tiveram vínculos encerrados depois de protagonizarem ato no vestiário do clube, conforme presidente

A duas rodadas do fim da segunda fase da Segunda Divisão gaúcha – nomenclatura dada à terceira divisão do Rio Grande do Sul –, o Gaúcho, de Passo Fundo, no norte do Estado, perdeu quatro de seus jogadores titulares. Um vídeo que vazou no WhatsApp mostra três deles – enquanto o outro filma – em uma cena de masturbação no vestiário do clube. Desde sábado, segundo a direção, o quarteto não tem mais vínculo com a equipe.

Em contato com o GloboEsporte.com, o presidente Gilmar Rosso explica que a atitude foi tomada por se tratar de uma situação ocorrida no ambiente do Gaúcho. O fato teria acontecido na última sexta-feira, no vestiário, cerca de uma hora e meia após o treinamento.

– Fora do horário de expediente não temos nada a ver com a situação. Se quiserem se drogar, beber, são gays ou não, é problema deles. O que tenho que responder como presidente é durante uma viagem, horário de expediente. Aí a responsabilidade seria minha. O Sport Club Gaúcho não é guardião da moral e dos bons costumes de ninguém. A única coisa foi fazer o vídeo dentro do vestiário – justificou Rosso.

Cena foi gravada no vestiário da arena do Gaúcho (Foto: Sport Clube Gaúcho/Divulgação)Cena foi gravada no vestiário da arena do Gaúcho (Foto: Sport Clube Gaúcho/Divulgação)

Cena foi gravada no vestiário da arena do Gaúcho (Foto: Sport Clube Gaúcho/Divulgação)

As imagens vazaram e correram o Estado e o Brasil. Na manhã de sábado, os jogadores tiveram os vínculos encerrados após uma reunião. Professor de sociologia e militar da reserva, Rosso resumiu a publicação do vídeo como uma “infantilidade” e rechaçou qualquer atitude homofóbica por parte do clube, ao citar que o Gaúcho também teve uma torcida formada por gays na década de 1980.

– Não somos homofóbicos. O Grêmio teve a Coligay, e quem fundou a torcida é de Passo Fundo e torcedor do Gaúcho. Ainda nos anos 80, ele voltou à cidade e fundou a Coligay do Gaúcho. Estamos atrás de uma foto para mostrar que não temos preconceito – conta.

A polêmica envolveu também o Juventude, vice-líder da Série B. Isso porque o vídeo começou a pipocar nos grupos de WhatsApp com a imagem de um jogador do clube de Caxias do Sul. A confusão foi feita devido à semelhança dos escudos das equipes, que carregam as cores verde e branco. O time de Caxias do Sul se manifestou no Twitter sobre o fato. Já o Gaúcho avisou que não irá levar o caso adiante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: